Cerimônia de premiação do Ideathon ocorre na próxima semana

Cerimônia de premiação do Ideathon ocorre na próxima semana

As propostas vencedoras serão apresentadas ao CNJ como contribuição da magistratura no combate à violência doméstica

A premiação que irá consagrar projetos que envolvem tecnologia, ciência, inovação e criatividade para ajudar vítimas de violência doméstica, o Ideathon, está marcado para a próxima quinta-feira (06). A cerimônia ocorrerá de maneira virtual e será transmitida pela página da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) no YouTube. Além dos participantes da competição e da comissão julgadora, estarão presentes a presidente da AMB, Renata Gil, e o diretor-presidente do AMB Lab, Ângelo Vittorazzi.

O Ideathon foi idealizado pelo Laboratório de Inovação e Inteligência da AMB (AMB LAB) e apoiado pela empresa Multiplan. A competição nasceu da necessidade de identificar habilidades do Judiciário para enfrentar um gravíssimo problema que acomete o Brasil, a violência contra a mulher. A premiação tem como base o Desafio Meta 5 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030, que inclui a efetivação de medidas protetivas da Lei Maria da Penha e a eficiência de trâmites eletrônicos em processos relacionados à violência contra a mulher.

O projeto vencedor deste ano foi o “Protetivas on-line”, desenvolvido pelas magistradas Jacqueline Machado e Helena Alice Machado; Vanessa Vieira, assistente social judiciária; e Anne Klean Mendes, analista judiciária. O tema escolhido foi “A efetivação das medidas protetivas de urgência da Lei Maria da Penha e uma prestação jurisdicional célere”. Em linhas gerais, visa a disponibilizar um formulário eletrônico simplificado de avaliação de risco para solicitação de medidas protetivas de urgência às mulheres em situação de violência doméstica.

O segundo lugar foi para o projeto “Proteção na medida 4.0: inteligência e avaliação de risco no combate à violência doméstica”, desenvolvido pelo juiz Tiago Dias. A funcionalidade principal do software é a gestão de risco e a análise de risco no contexto da violência doméstica.

Em terceiro lugar, ficou o projeto “Dashboard: Ferramenta para fortalecimento da prestação jurisdicional às mulheres em situação de violência doméstica e familiar”, da juíza Taís de Paula Scheer. O sistema pretende auxiliar na melhoria da prestação jurisdicional, tornando-a mais efetiva e adequada aos anseios da mulher em situação de violência. A inovação pretende concentrar informações relevantes para a análise dos casos por meio de uma ferramenta de gerenciamento visual de informações.

Conheça os vencedores do Ideathon

“O Ideathon é um exemplo de proposta autônoma e independente que chama atenção para a reflexão que o magistrado tem muito a contribuir no desenvolvimento de melhorias do sistema de Justiça a partir da sua vivência no dia a dia de trabalho”, pontuou Renata Gil, que afirmou ainda estar orgulhosa dos resultados da competição e se disse muito feliz com as ideias que saem do papel.

O diretor do AMB Lab, Ângelo Vettorazzi, considera que a competição promoverá renovação no Poder. “O Ideathon proporcionou à magistratura a apresentação de ideias inovadoras no âmbito da violência doméstica e familiar. Todos as iniciativas são dignas de elogio, em especial as vencedoras”. O magistrado finaliza: “As escolhidas serão apresentadas ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) como contribuição da magistratura para o combate a esse tipo de violência”.

Os critérios utilizados pela comissão julgadora para escolher o vencedor incluíram potencialidade de inovação, eventuais custos de implementação e impactos para o Judiciário com o desenvolvimento da ideia apresentada, eventual usabilidade do insight tecnológico e facilidade de implantação.

Integram a comissão julgadora sete mulheres que atuam no sistema de Justiça, são elas:

  • Renata Gil – presidente da AMB e da comissão julgadora;
  • Tânia Reckziegel – conselheira do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e coordenadora do Grupo de Trabalho do órgão para elaboração de estudos e propostas visando ao combate à violência doméstica e familiar contra a mulher;
  • Maria Domitila Prado Manssur – diretora da AMB Mulheres;
  • Keity Saboya – vice-diretora do AMB Lab;
  • Salete Silva Sommariva – presidente do Colégio de Coordenadores das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar dos Tribunais de Justiça Estaduais (Cocevid);
  • Barbara Livio – presidente do Fórum Nacional de Juízas e Juízes de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (Fonavid);
  • Maria Cristiana Simões Amorim Ziouva – procuradora regional da República e coordenadora-adjunta do Grupo de Trabalho do CNJ para elaboração de estudos e propostas visando ao combate à violência doméstica e familiar contra a mulher.

Júlia Rodrigues (ASCOM)