AMB Lab apresenta ao TJRN ferramenta de automação que rastreia processos criminais

AMB Lab apresenta ao TJRN ferramenta de automação que rastreia processos criminais

“Nosso intuito com essa ferramenta é que ela melhore a qualidade de vida da Magistratura ao tornar mais eficiente a gestão do acervo de processos criminais”, disse diretor do AMB Lab

O Laboratório de Inovação e Inteligência da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB Lab) está desenvolvendo uma ferramenta de automação de algumas atividades que torna a gestão do acervo dos tribunais mais eficiente. No dia 17 de novembro, o diretor do AMB Lab, Ângelo Vettorazzi; e o juiz Esdras Silva Pinto (TJ-RR), membro do Comitê de Inovação e Inteligência do Lab, se reuniram em um encontro virtual com a equipe do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJ-RN) para apresentar a solução, que tem como objetivo facilitar o trabalho dos magistrados associados à AMB e proporcionar mais celeridade na gestão dos processos.

“Nosso intuito com essa ferramenta é que ela melhore a vida de todos, com controle adequado do acervo processual nas varas criminais, que tiveram prisões preventivas decretadas. O que queremos saber, realmente, é se essa ferramenta trará agilidade. Precisamos que os colegas participem e compreendam as automações e o quanto isso é importante no nosso ambiente de trabalho”, destacou o diretor do AMB Lab.

De acordo com o juiz Esdras Silva Pinto, o produto está em alfa. “Ainda estamos melhorando, mas já conseguimos utilizá-lo no Projudi, no Tribunal de Justiça de Roraima, e sendo testado como piloto por alguns colegas, apesar de ainda não ter sido lançado. Devemos implementar para funcionamento no Processo Judicial Eletrônico (PJe) em breve. O objetivo principal é que essa solução nos permita delegar ao robô ações que são repetitivas no nosso dia a dia”, explicou.

Participaram da reunião, o desembargador no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), Diego Cabral; a juíza Aline Cordeiro (TJRN); e as equipes da Secretaria de Tecnologia da Informação (TI) e Inteligência Artificial (IA) do TJRN, os quais puderam tirar dúvidas a respeito da ferramenta.

Funcionamento da ferramenta
A plataforma rastreia todos os processos criminais que têm réus presos sob a responsabilidade do magistrado. Faz uma lista ordenada, a partir da data da prisão ou da data da última reanálise da prisão. Permite a automatização de modelos de decisão, para manutenção da prisão ou para revogação, bem como de despacho para eventual intimação da acusação e defesa antes da decisão. Além disso, os juízes podem programar um alerta a respeito da situação de cada processo. Esses sistemas são automatizados, de modo que, com apenas alguns cliques, todos os processos na mesma condição serão movimentados pelo robô.