AMB Lab define como meta se tornar hub de inovações judiciais

AMB Lab define como meta se tornar hub de inovações judiciais

Membros da Laboratório de Inovação organizaram as prioridades de trabalho para 2023 durante a reunião

Se tornar um hub de projetos de inovação judicial. Esta é a principal meta do Laboratório de Inovação e Inteligência da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB Lab) para este ano, traçada na reunião realizada na quinta-feira (13). “Queremos usar a força da AMB para difundir as ideias e experiências dos tribunais e associações locais”, afirmou o Diretor do AMB Lab, Max Nunes. “Acredito que juntos podemos apoiar e construir políticas públicas para melhorar o panorama jurisdicional”, completou.

Entre os demais trabalhos a serem realizados ao longo do ano, ficou firmado entre os membros que serão produzidos quatro encontros do “Diálogos da Inovação”, com temas ainda a serem definidos.

“A AMB tem muito a colaborar com a organização das propostas de inovação”, destacou o Magistrado titular da Vara do Trabalho de Parnaíba e criador da Vara do Trabalho Eletrônica, José Carlos Vilanova Oliveira. Já na opinião do Membro do AMB Lab, Marcelo Carlin, o aperfeiçoamento da prestação jurisdicional por meio da tecnologia é o caminho para reforçar a imagem do Poder Judiciário perante a sociedade.

Também participaram do encontro a Vice-Presidente de Assuntos Administrativos da AMB, Julianne Marques; o Juiz do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) e um dos Coordenadores do Gabinete Virtual de 1º grau do tribunal, Pedro Davi Alves de Vasconcelos; o Juiz do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), Marcelo Carlin; o Juiz do TJPB, Meales Medeiros de Melo; o Juiz-auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça do Maranhão, Ferdinando Marco Gomes Serejo Sousa; o Magistrado do TJPB, Antônio Silveira Neto; e a Coordenadora Executiva da Escola Nacional da Magistratura (ENM), Marcela Bocayuva.

Paula Andrade (Ascom/AMB Lab)